Notícias

Junior Geo defendeu que a população não precisa de mais aumentos e que os tributos poderiam ser evitados se houvesse uma gestão eficiente de recursos

O vereador professor Júnior Geo participou da apreciação de vetos do Executivo e alterações no Código Municipal de Obras e do Código Tributário de Palmas, na sessão extraordinária desta terça-feira, 11. Geo votou contra os vetos parciais no orçamento na área da Educação, mas os impedimentos foram mantidos pelos parlamentares. Sobre a alteração no Código Tributário quanto a contribuição para Custeio de Serviço de Iluminação Pública (Cosip), que aumenta o tributo em 42%, o vereador também manifestou seu voto contrário.

Quanto aos vetos parciais ao orçamento da Educação, Geo explicou seu posicionamento contrário é uma questão de coerência, já que o os itens foram alterados na lei são de autoria dos próprios parlamentares. “Apesar dos parlamentares terem votado as emendas para aprovação do orçamento da Educação, após a apreciação e vetos parciais do Executivo, esses mesmos parlamentares, integrantes da base aliada e que propuseram as emendas, votaram a favor das alterações do Executivo”, esclareceu.

A votação do aumento de 42% na iluminação pública aconteceu somente em um turno. Para essa aprovação serão necessários mais dois turnos de votação. Junior Geo votou contra o aumento e manterá o mesmo posicionamento nos próximos turnos. “ Para quem é trabalhador, um real vale muito. Quando se junta um real a mais na conta de energia e cinquenta centavos a mais no transporte público, fica evidente que milhões serão arrecadados e quem está pagando é a população”, justificou o vereador.

Júnior Geo defendeu que a população não precisa de mais aumentos e que os tributos poderiam ser evitados se houvesse uma gestão eficiente de recursos. “Se o Executivo gerir bem o dinheiro que tem, não vai precisar mandar a conta para a população. É preciso rever as prioridades. Ainda existem muitos gastos supérfluos com shows, enfeites e estruturas”, argumento. Na mesma sessão, o Projeto de Lei Complementar que prevê reajuste na taxa de coleta de lixo foi retirado de pauta. Todos os projetos de lei complementar serão apreciados em mais duas sessões. (Ascom do Vereador)


12/04/17